sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Barba, cabelo e bigode


Sempre tive um fraco por lugares decadentes e sombrios, os acho simplesmente irresistíveis, charmosos, com um encanto todo próprio e principalmente dotados de uma singular personalidade que parece dizer baixinho ao pé do ouvido, decifra-me ou te devoro.

Quando em Barcelona, era sempre o primeiro a desviar o grupo para descobrir mais um recanto adormecido no meio do Bairro Gótico, onde as ruas parecem estar cansadas de luz. Metia-me feliz por vielas estreitas como um fugitivo em busca de refúgio, no meu caso na esperança de encontrar algum bar abandonado pelo tempo, um portal que me conduzisse a outra dimensão e me possibilitasse o convívio com seres fantásticos e extraordinários.

Recordo que numa dessas andanças pela antiga e ainda preservada área de La Ribera (que hoje em dia faz parte do moderno e fashion Born) descobri o Mundial Bar, um lugar que parece estar cristalizado na Plaça Sant Agustí Vell número 1 desde tempos imemoriais. Ali, entre paredes estampadas com velhas fotos de lutadores de boxe e um balcão de mármore onde ressoam confidências dos tempos de antanho, podia-se tomar um bom vermute e desfrutar de frutos do mar preparados sem “perfumaria”, uma atividade simples e elegante que me preenchia a alma em tardes sem sol.

E foi assim que, embora sempre perambulando em busca do autêntico e do não óbvio, acabei inadvertidamente elegendo como barbeiro oficial em Barcelona um lugar, sem sombra de dúvidas, pouco ortodoxo.

O Raval também é um dos bairros mais antigos de Barcelona e, assim como o Born, cresceu fora dos limites impostos pelas muralhas da cidade medieval, o atual Bairro Gótico.

Em 1800 a maior parte do Raval era constituída por pequenas chácaras e contava com apenas alguns poucos edifícos que remontavam à época medieval, alguns dos quais permanecem em pé até hoje.

Após a revolução industrial, no século XIX, muitas fábricas texteis começaram a surgir e com elas vieram imigrantes das mais variadas partes do mundo, dando início a uma característica que até hoje permanece intocada e que é a principal característica e graça do bairro, sua multiculturalidade.

Quando cheguei em Barcelona, no final de 2004, o Raval já havia passado por importantes transformações urbanísticas e não lembrava em quase nada o gueto ao qual os mais velhos ainda se referiam com respeito e temor.

Isto porque, antes dos jogos Olímpicos de 92, o Raval também era conhecido como o Barrio Chino (uma referência a conflituosa Chinatown em São Francisco), e possuia verdadeiramente uma fauna e uma ambience dignas das melhores letras de Lou Reed, um cenário cheio de prostitutas, drogas, vagabundos e ladrões de rua, e que deram a ele a fama de ser a face mais canalha de Barcelona.

Apesar das transformações impostas ao bairro em anos recentes, na vâ tentativa de integrá-lo à urbe, não me desapontei em absoluto e prontamente me pus a decifrar seus recantos mais recônditos para descobrir resquícios dos tempos passados, e, afortunadamente, não precisei ir muito longe.

A sensação que se tem ao pisar no Raval hoje em dia, sobretudo na área que eu denomino de Baixo Raval (não confundir com a nossa nomenclatura associada ao Baixo Gávea e afins), e que vai da Carrer Hospital até os limites da Ronda Litoral, é de que se está em algum lugar do norte da África ou do oriente. Trata-se de um aglomerado de ruas sujas e estreitas, com varais estendidos diretamente sobre a rua a la Napoletana, coalhadas de vendinhas de trastes de todo tipo e cujos habitantes em sua maioria são Paquistaneses, Marroquinos, Filipinos ou Romenos.

Cortei cabelo a minha vida inteira com um português boquirroto que eu adorava e que se auto-vangloriava "eu sou o máximo, eu sou do caraxxx" enquanto metia a tesoura nas minhas madeixas (bons tempos aqueles) e que morrera pouco antes de eu me mudar para Espanha. Assim que, era natural o meu temor em guardar o segredo da minha virilidade a mãos estranhas em terras estrangeiras.

Não tive remédio, uma bela manhã me vi caminhando pela exótica Carrer de Sant Pau e tendo que me decidir entre uma das inúmeras barbearias capitaneadas por Paquistaneses, já que então não tinha dinheiro para frequentar qualquer cabelereiro de grife e pagar 60 euros por corte, tá maluco?!

Relutei, primeiro eu não entendo nada de Urdu ou Hindi e tinha medo de estar entrando em estabelecimentos do tipo 2 em 1 (me disseram que no oriente é comum as barbearias oferecerem mais do que simples cortes de cabelo, se é que você me entende), segundo, a cara dos barbeiros Paquistaneses metia medo, tinha até um que parecia saído direto de um filme de Ali Babá, com seu turbante Sikh e sua barba pontuda, "fudeu-se" como diria Migulino. Quando estava quase dando meia volta, notei um com uma cara um pouco mais normal e que de estranho mesmo só tinha o cabelo acaju, suspirei fundo e...entrei.

Seu nome era Salim, evidentemente Paquistanês, que entre mesuras e um ar muito circunspecto mas amável me fez uma bonita massagem capilar e cortou o meu cabelo de forma eficiente e sem frescuras. O resultado final, embora conservador, não comprometeu e fez com que, durante os 4 anos seguintes em Barcelona ele se transformasse no meu "personal hair stylist" e de quebra, me deu a oportunidade de servir como observador involuntário desse curioso extrato social.

Numa dessas tardes de Domingo fui cortar o cabelo com o Salim e levei Miguel a tiracolo. Quando chegamos, o "salão" estava a tope e não sobrou remédio a não ser sentar, esperar, tomar um gole de chá e nos deliciar com o seguinte diálogo travado entre a manicure local e outro barbeiro, ambos Bolivianos, e que era mais ou menos assim:


- Eles pagam bem?

- Muito, me disseram que dá até para ganhar 250 euros ao dia transando com três.

- Três por dia?

- Não, três juntos em cada vez.


Ah tá, nos entreolhamos Miguel e eu arregalando os olhos e segurando o riso, isso sim que é um negócio promissor.


- Três ao mesmo tempo, mas não é muita coisa?

- É nada, além do que eu tenho que comprar meu apartamento e a minha amiga disse que eles pagam direitinho, estou cansada dessa vida de manicure.

- E em quanto tempo você acha que dá para comprar o apartamento?

- Ah, eu calculo que em 1 ano e meio eu consiga.


Bem, eu não fiz os cálculos nem sei quantas sessões a roliça Boliviana pretendia fazer durante o dia para chegar aos seus objetivos, deixo isso aos senhores, mas me parece que em 1 ano e meio nesse ritmo talvez ela não esteja mais entre nós para usufruir do sonho da casa própria.
.
Miguel parecia não acreditar no que se passava ao seu redor e me dizia: - Mas isso é o submundo! Isso sim é que é underground! Eu não disse nada, já estava acostumado e inclusive achava aquilo ali uma oportunidade ímpar de ter contato com material humano dos mais ricos. Já Migulino, acostumado que estava aos cortes de tesoura com fio de diamante restritas ao mundo mais fashion de Barcelona viu-se de repente jogado naquela atmosfera surreal e o espanto era natural.

Falando nisso, bem ao lado da barbearia ficava a rua das meninas, jovens vindas da europa oriental e alguma outra africana em sua maioria e que sempre tinham uma palavra gentil e um sorriso triste a oferecer. De vez em quando eu cruzava com uma em especial, de aspecto Romeno e ainda bonita, que sempre mexia comigo com ar jocoso e dizia:

- Hola guapo, has venido a por mí, verdad?

Eu sorria e respondia: - Hoy no, he venido sólo a cortar el pelo pero mañana seguro.

Nunca soube o seu nome, nem sei se se continua por lá sorridente e solícita, o que eu sei é que desde que voltei ao Rio o mero ato de cortar cabelo perdeu completamente o seu encanto.

Talvez ninguém entenda, mas é por essas e por muitas outras que jamais haverá um lugar como o Raval, um lugar de inúmeros contrastes onde o cliente sempre pode escolher: O que vai ser hoje, Sr.? Barba, cabelo ...

6 comentários:

Albert disse...

Ouch! gracias por tu comentario. Y grande, muy grande, tu relato sobre Barcelona. Esa gran ciudad entre la sombra y la luz. Saludos y estamos en contacto!

Homem de Azul disse...

Hola Albert, benvingut!

Un placer, Barcelona es sin duda una gran ciudad y me dio inmenso gusto descobrirla durante los años en que he vivido ahí. Sin dudas, ha dejado su huella.

Estamos en contacto seguro.

Saludos desde Rio.

blogbel disse...

Ah, agora você você diz "Barcelona, querida"! Sabia que o tempo e a distância - e a falta de cabeleireiros tão radicais no Rio - iriam fazer você mudar o olhar.

Homem de Azul disse...

Nada como o distanciamento Bel, é verdade. Mas esclarecendo, a cidade é muito boa, não há dúvidas e eu sempre achei isso...já as suas gentes. Deve ser o que chamam de choque cultural.

bona2vada disse...

Homem de Azul:

Yo fui una de las personas afortunadas que recorrió contigo (y con nuestros amigos y Moz fans) las calles escondidas de Barcelona de las que hablas. Siempre supiste transmitirnos el placer de descubrir esos pequeños rincones que a veces pasan desapercibidos pero que hacen de Barcelona la ciudad tan especial que en realidad es. Gracias. Te echo mucho de menos.

Vanessa

Homem de Azul disse...

Hey you! mi eterna compañera de sesiones en el Razz y en The Sounds!

Pues sí querida, sabes que la recíproca es verdadera, también echo mucho de menos, a tí, a nuestras charlas y nuestras salidas. Vaya pareja de estilosos, jeje.

Pero pronto volveremos a vernos. Mark my blue words, lassie!

Un besote.

 

View My Stats