terça-feira, 29 de setembro de 2009


ele ia passar férias na europa, o que incluía uma temporada comigo, estava alegre e engraçado como sempre e também um pouco ansioso com a possibilidade de estrear um programa misturando jornalismo e humor em rede nacional. foram dias ótimos e pudemos colocar o papo em dia e matar as saudades um do outro.

quando voltei a encontrá-lo, já fazia 10 meses que não nos víamos e a estória era outra, havia virado celebridade, o programa ia muito bem obrigado e ele parecia à vontade e desenvolto na sua nova condição. ao vir ao rio para receber o prêmio de melhor jornalista de televisão pela revista quem no fasano eu o acompanhei, achando aquilo tudo muito engraçado. afinal, era o meu primo, o cara que eu conheci pequeno e que desde sempre demonstrou ter rapidez e imaginação enormes para piadas de qualquer tipo, acompanhadas das suas já conhecidas caras e bocas.

esse fim de semana ele voltou a estar por aqui e pudemos nos encontrar de novo, tudo muito rápido como convém a uma figura pública, mas sempre muito bom (como não iria ser no cervantes?). tentamos nos encontrar de novo durante o fim de semana, mas a agenda do rapaz anda tão movimentada e é tal o número de adolescentes em chamas que batem à sua porta diuturnamente em busca de carinho e atenção que não deu.

- putz , primucho, me desculpa – diria ele depois do segundo furo – você ainda vai falar comigo?

que pergunta carneirinho (em tempo - e aqui vai a vingança por não ter aparecido pro cinema – perguntem a ele a causa do mimoso apelido)?! não tem erro, da próxima vez a gente se encontra com mais calma, eu entendo.

não me espanta em absoluto o seu sucesso, na verdade é muito simples, sinceridade e carisma, está sendo ele mesmo, agindo de forma natural e encantando meio mundo com o seu charme, digamos, peculiar.

é isso aí primucho, orgulho danado de você.

beijos, e ai de você se não aparecer quando voltar ao rio.


thatched house in cockington, exeter, england

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

By 2040 you will be able to upload your brain...

...or at least that's what Ray Kurzweil thinks. He has spent his life inventing machines that help people, from the blind to dyslexics. Now, he believes we're on the brink of a new age – the 'singularity' – when mind-boggling technology will allow us to email each other toast, run as fast as Usain Bolt (for 15 minutes) – and even live forever. Is there sense to his science – or is the man who reasons that one day he'll bring his dad back from the grave just a mad professor peddling a nightmare vision of the future?

Should, by some terrible misfortune, Ray Kurzweil shuffle off his mortal coil tomorrow, the obituaries would record an inventor of rare and visionary talent. In 1976, he created the first machine capable of reading books to the blind, and less than a decade later he built the K250: the first music synthesizer to nigh-on perfectly duplicate the sound of a grand piano. His Kurzweil 3000 educational software, which helps students with learning difficulties such as dyslexia and attention deficit disorder, is likewise typical of an innovator who has made his name by combining restless imagination with technological ingenuity and a commendable sense of social responsibility.

However, these past accomplishments, as impressive as they are, would tell only half the Kurzweil story. The rest of his biography – the essence of his very existence, he would contend – belongs to the future.

Following the publication of his 2005 book, The Singularity is Near: When Humans Transcend Biology, Kurzweil has become known, above all, as a technology speculator whose predictions have polarised opinion – from stone-cold scepticism and splenetic disagreement to dedicated hero worship and admiration. It's not just that he boldly envisions a tomorrow's world where, for example, tiny robots will reverse the effects of pollution, artificial intelligence will far outstrip (and supplement) biological human intelligence, and humankind "will be able to live indefinitely without ageing". No, the real reason Kurzweil has become such a magnet for blogospheric debate, and a tech-celebrity, is that he's convinced those future predictions – and many more just as stunning – are imminent occurrences. They will all, he steadfastly maintains, happen before the middle of the 21st century.


Just when will this ultimate life-affirming feat be possible? In Kurzweil's estimation, we will be able to upload the human brain to a computer, capturing "a person's entire personality, memory, skills and history", by the end of the 2030s; humans and non-biological machines will then merge so effectively that the differences between them will no longer matter; and, after that, human intelligence, transformed for the better, will start to expand outward into the universe, around about 2045. With this last prediction, Kurzweil is referring not to any recognisable type of space travel, but to a kind of space infusion. "Intelligence," he writes, "will begin to saturate the matter and energy in its midst [and] spread out from its origin on Earth."


The greatest thing since sliced bread?

Ray Kurzweil's guide to incredible future technologies — and when he thinks they're likely to arrive...

1 Reconnaissance dust

"These so-called 'smart dust' – tiny devices that are almost invisible but contain sensors, computers and communication capabilities – are already being experimented with. Practical use of these devices is likely within 10 to 15 years"

2 Nano assemblers

"Basically, these are three-dimensional printers that can create a physical object from an information file and inexpensive input materials. So we could email a blouse or a toaster or even the toast. There is already an industry of three-dimensional printers, and the resolution of the devices that can be created is getting finer and finer. The nano assembler would assemble devices from molecules and molecular fragments, and is about 20 years away"

3 Respirocytes

"A respirocyte is a nanobot (a blood cell-sized device) that is designed to replace our biological red blood cells but is 1,000 times more capable. If you replaced a portion of your biological red blood cells with these robotic versions you could do an Olympic sprint for 15 minutes without taking a breath, or sit at the bottom of a swimming pool for four hours. These are about 20 years away" '

4 Foglets

"Foglets are a form of nanobots that can reassemble themselves into a wide variety of objects in the real world, essentially bringing the rapid morphing qualities of virtual reality to real reality. Nanobots that can perform useful therapeutic functions in our bodies, essentially keeping us healthy from inside, are only about 20 years away. Foglets are more advanced and are probably 30 to 40 years away"

5 Blue goo

"The concern with full-scale nanotechnology and nanobots is that if they had the capability to replicate in a natural environment (as bacteria and other pathogens do), they could destroy humanity or even all of the biomass. This is called the grey goo concern. When that becomes feasible we will need a nanotechnology immune system. The nanobots that would be protecting us from harmful self-replicating nanobots are called blue goo (blue as in police). This scenario is 20 to 30 years away"

Original: veja na íntegra

pin-up da semana

by carlos coccarelli

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

the art of propaganda #2

Is the music industry at war?

Everyone from Lily Allen and Radiohead to Elton John and Billy Bragg have had something to say about filesharing recently. So who's right?

Members of the Featured Artists Coalition - Master Billy, of course, in the centre - show their support for ... well, no one is quite sure

Last year, at a conference for music creators, an independent artist – and the producer she runs a label with – both stood up to talk about the difficulties they had surviving in an environment where people got their music for free from illegal filesharing sites. Afterwards, I contacted her to ask if she'd be up for discussing the issue further in the behind the music blog. She replied: "I want to stay clear of talking too much about finances, as I think it's vulgar for artists to talk about money and business!" In other words, she was happy to talk about it, just not in public.

For years, illegal filesharing has been portrayed as an issue between the major labels and the music fans, with the odd quote from some mega-star. Naturally, most people would side with the "little man" as opposed to the big corporations. Meanwhile, artists were too weary of saying anything for fear of appearing regressive, greedy (vulgar?) or alienating fans.

This all changed last week after the Featured Artists Coalition (FAC) released a statement opposing the government's proposal to temporarily disconnect repeat illegal filesharers as a last resort. It appeared to be saying illegal filesharing is fine, as artists can make up for the loss of revenues by touring and merchandising. Lily Allen struck back in a blog saying that illegal file-sharing is not okay, and that it will deprive new artists of the means to ever launch a career in music.

Having read the FAC statement in full, I realised that it wasn't quite as black-and-white as the media portrayed it to be. They did not approve of piracy and recognised that it often takes the hard work of people who don't tour to make a record. There are songwriters, producers, studio engineers and musicians who play on records, but don't get asked to go on tour as they may not have "the right look" (read: are too old) or are too expensive (not many bands can afford to bring a string section on tour).

Following Lily Allen's blog, musicians such as Björn Ulvaeus, James Blunt, Elton John and many more also began speaking out against filesharing, and suddenly we had what appeared to be an all-out war within the artist community.

But look closer, and you'll see that almost every artist weighing in on the debate (including the guy from Futureheads and Ed O'Brien from Radiohead, who are both on the FAC board) agrees that piracy is having a negative effect on emerging artists' ability to survive and continue to create music. Where they differ is in what to do about it.

I usually have strong opinions (an ex once sighed: "God, you have an opinion on everything"), but this issue is so complicated that there is no black and white, just different shades of grey.

Yes, supporting artist-friendly, legal services is a good start, and the music industry needs to grant them licenses to provide much more comprehensive music libraries. But, once they do, these services need to be able to compete on a level financial playing field. The reason We7 have come out in support of Allen's statement is that they find it difficult to compete with free "services" like the Pirate Bay and other torrent sites who don't pay for their "stock".

And, contrary to what many sections of the media would have you believe, this is not just a music industry issue. While the FAC and Lily Allen "battle" has been fought in the press, Equity, the NUJ, the Premier League, the Publishers Association, the Writers' Guild, the Musician's Union, the TUC and Unite have all recently signed up to the Creative Coalition Campaign, which supports the government proposal. They must be grateful that record labels are taking all the flack in this debate.

A source close to the FAC board (they're quite weary of speaking out of turn at the moment) says: "The proposal was fine until Lucien Grainge pushed Mandelson to add the disconnection bit to it."

But I asked him, what kind of effect will sending warning letters have if they can't be backed up by some sort of action? What if we have legitimate services, have educated the public of the actual effects of illegal filesharing and someone still uploads hundreds of thousands of tracks – some of them not even yet released - onto a torrent site?

"Well, then I'd say even the FAC would agree that we'd have to take legal action. The reason the FAC is against the current government proposals is that they think it's a waste of time." He continues: "They don't believe the proposal will go through in its current state. First of all it's too complicated and costly to enforce, technically. Secondly, civil liberties groups will oppose it and possibly even take it to court.

By the time the legal wrangling is over, filesharing will be a thing of the past. Everyone will go to darknets or swapping hard drives. Then all we'd have as a weapon would be our moral standpoint."

A moral standpoint? What would that be worth? And how effective would it be as a defence against someone uploading hundreds of thousands of tracks to be shared by billions, without compensating the creator for a single penny?


quarta-feira, 23 de setembro de 2009


by laerte

the world is upside down

we dare to look

society of glutony

we support

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Lançamento da revista Sala 126 com Luisa mandou um beijo‏

Transcrevo abaixo o e-mail recebido do caro Fernando Paiva, guitarrista do Luisa mandou um beijo, sobre um evento que promete agitar este fim de semana.

Caros amigos,

no próximo sábado, dia 26 de setembro, será lançada a revista Sala 126, edição especial com a "Luisa mandou um beijo". Para comemorar, faremos uma festa com entrada franca na sede da Multifoco, editora da revista. Em vez de show, os integrantes da Luisa irão discotecar um pouquinho cada um. É uma boa oportunidade para conhecer as influências musicais de cada membro da banda.

A revista traz uma entrevista com a gente e um cd encartado com cinco músicas gravadas no dia em que nos apresentamos na Sala 126, em fevereiro deste ano.

Festa de lançamento da revista Sala 126 com Luisa mandou um beijo
Dia: 26 de setembro
Horário: 18h
Local: Espaço Multifoco
Endereço: Rua Mem de Sá, 126, Lapa - Rio de Janeiro/RJ
Entrada franca!


E um último recado: quem não conseguiu assistir as vinhetas da banda na MTV, agora pode vê-las a qualquer momento em dois endereços na internet:

www.mtv.com.br/luisamandouumbeijo (versão final com pós-produção feita pela MTV)
http://www.youtube.com/watch?v=tCNiG0NMbFQ&feature=channel_page (versão original enviada para a MTV)

Fernando Paiva - guitarrista da Luisa mandou um beijo

boutiques hippophagiques

Sempre gostei de cavalo, quando menino adorava as férias em Teresópolis porque me permitia cavalgar pela Granja Comary e sentir o gostinho de ser cowboy ainda que por um breve instante. As idas eventuais ao Jockey também me fascinavam, ver aqueles belos animais desfilando antes das provas era uma experiência e tanto.

Na minha estada na Europa, entretanto, acabei gostando ainda mais do animal por razões que nada têm a ver com as memórias da infância. É que bem perto de casa havia um açougue especializado em ... carne de cavalo.

E antes que os puristas me condenem e façam cara de nojo é preciso dizer que, uma vez despidos os preconceitos, trata-se de uma iguaria das mais finas. A carne de cavalo pode ser tabu para muitos, mas é bastante difundida entre vários países Europeus, especialmente na França, Espanha e Itália e foi assim que eu pude conhecer e ficar fã do inusitado petisco.

No Reino Unido, o abate, preparação e consumo de cavalos para comida não é contra a lei, embora na prática tenha esteja fora de moda desde os anos 30 e exista um forte tabu contra ela.

It is notable that, despite horses having been bred in England since pre-Roman times, the English language has no widely used term for horse meat, as opposed to four for pig meat (pork, bacon, ham, gammon), three for sheep meat (lamb, hogget and mutton), two for cow meat (beef and veal), and so on. English speaking countries, however, have sometimes marketed horsemeat under the euphemism "cheval meat" (cheval being the French for horse). Also, note that the words pork, bacon, mutton, veal, and beef all derive from an old version of French, because of the class structure of England after the Norman Conquest in 1066 CE: the poor (Saxons) tended the animals, while the rich (French-speaking Normans) ate the meat. The peasants had very little to do with horses.

De um modo geral, o tema é tabu principalmente pelo vinculo afetivo que nos une a esses belos animais, à semelhança dos cachorros (que na Coréia entram na panela), a maioria das pessoas acha inconcebível come-los. Fatores como religião, cultura, preferências de paladar e preconceito gratuito também ajudam a carne a não ser item dos mais populares em muitos países, dentre eles o Brasil. No entanto, trata-se de carne das mais ricas e saborosas, assemelhando-se à carne bovina na aparência, embora mais escura, e possuindo paladar mais doce e delicado.

O fato é que já na Idade Média se consumia carne de cavalo em festas pagãs do norte da Europa, especialmente em homenagem a Odin. A Igreja Católica preocupada com a popularidade destas celebrações aproveitou o ensejo e proibiu o seu consumo, devido a sua associação com os ritos pagãos, ajudando a desestimular o hábito. Somente no século XIX, com a ajuda das guerras - o cirurgião-chefe de Napoleão, que sabia das coisas, incentivava as tropas famintas a consumi-la (vide campanha russa) - o costume voltou a ser comum na Europa, até porque eram tempos de vacas magras (com trocadilho) e a sua carne era mais barata e acessível do que as demais. O fato é que, após o fim do cerco de Paris, muitos Parisienses a incorporaram definitivamente ao seu dia-a-dia e surgiram os primeiros açougues especializados.

No Japão, em função de restrições à exploração pesqueira, em especial do atum, tem se elevado o consumo de sushi feito com carne de cavalo (sakura ou sakuraniku - sakura = botão da cerejeira, niku = carne). A sua aceitação é tal que faz com que o sushi de carne de cavalo tenha preços mais elevados que o tradicional a base de peixe.

A minha experiência inicial foi sob a forma de embutido defumado e digo que foi uma grata surpresa, depois provei em uma outra oportunidade sob a forma de bife e acabei por me converter definitivamente em um entusiasta.

O que muita gente ignora, é que o Brasil é um dos principais produtores de carne de cavalo, abastecendo o mercado externo e principalmente os mercados da Europa e Ásia.

Curiosamente, os cavalos abatidos não são os da hípica, mas sim os cavalos de tração, de serviço, que uma vez encerrada a vida útil são descartados. Respirem aliviados, fim de vida mais digno não há.

Preconceito por preconceito, se o ato de comer cavalo ativa o seu sentimentalismo, pense também no leitãozinho nosso de cada dia, no cordeiro que chora no pasto ao notar que vai ser executado e em tantas outras espécies que são abatidas para o nosso deleite.

A verdade é que, quando o assunto é carne, o cavalo não merece maior consideração do que qualquer outro animal (salvo se alguém tocar os meus gatos que aí eu mato), a sua carne, no entanto, merece toda a nossa admiração.
Além do que, mesmo após a sua morte continuam a nos dar prazer, não são loucos, não passam gripe e são deliciosos.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

pin-up da semana

by Harry Ekman

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

this is radio blue

Bom meus caros, deixo-vos porque uma intensa peregrinação gastronômica me aguarda este fim de semana, os detalhes da aventura, menu e sensações gerais eu dou na volta.

De toda forma, como hoje é sexta e é preciso preparar o espírito para os dias que hão de vir, aqui vai uma pequena seleção de clássicos - from the only bloke that matters – para motivar o seu dia. Está no ar o embrião da rádio mais infame da cidade.

One step beyond!

In tune with nothing. Don't touch that dial!


quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Master in piece

Damien Hirst
Autopsy with Sliced Human Brain 2004
oil on canvas, 42 x 54 inches

The Smiths are laughing all the way to the bank

They inspired a legion of angst-ridden followers, brought misery to the masses with their dour, Mancunian melodies and established an entire career out of being alienated.

Despite being called "the most important band of the last 50 years" by the NME, triumphing over such greats as The Beatles and The Rolling Stones, The Smiths were never about commercial success. Frontman (Steven) Morrissey, guitarist Johnny Marr, bassist Andy Rourke and drummer Mike Joyce reached the Top 10 in the UK singles charts only once before splitting acrimoniously in 1987.


The enduring power of The Smiths is that they speak to the maudlin in all of us. Heavens, we all know by now how miserable they were. But as long as there are tortured teens, desolate twentysomethings and melancholic mums and dads, theirs is a light that will never go out.

not really quite so, it can never be stressed enough their influence and their power to convert people in an immediate acolyte. the fact is we wanted and felt we were part of the same ethos, we belonged together.
not to mention their fantastic sense of aesthetic, attention to detail and knowledge of its importance in the construction of the mystic, their natural charisma, and brilliant music, of course.
if i ever had a gang, that was mine.
you deserve it lads.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

pin-up da semana

careful when driving...

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

enquanto isso na itália...a festa nunca termina

#1 na categoria fanfas inesquecíveis

Primeira a falar publicamente sobre sua participação em festas particulares na casa do primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, a prostituta de luxo Patrizia D'Addario desafiou nesta sexta-feira o premier a um confronto público sobre a polêmica.

"Convido Berlusconi a uma acareação pública para discutir nossos assuntos privados, como as relações entre homens e mulheres; as técnicas de conquista, assim como sexo e poder", provocou Patrizia em entrevista concedida ao jornal "Corriere della Sera".

"Convido Berlusconi a uma acareação pública para discutir nossos assuntos privados"

A declaração é uma resposta a Berlusconi, que esta semana se referiu a "uma mulher" que teria inventado um escândalo envolvendo-o e levantou a possibilidade de processá-la. O premier declarou também que a mulher tinha cometido quatro delitos, pelos quais perigava ser condenada a 18 anos de prisão.


o que esperar do homem que já afirmou...a beleza das italianas dificulta prevenção a estupros.
pizza? é, pode ser.

parabéns pra você

O ator americano Charlie Cheen afirmou que o governo do ex-presidente George W. Bush está por trás dos atentados de 11 de setembro de 2001, de acordo com informações publicadas nesta sexta-feira pelo site do jornal britânico "Daily Mail". Cheen declarou que a "versão oficial do 11/9 é uma fraude".

Fazendo coro a teorias da conspiração, o astro da TV americana disse que os ataques serviram de "pretexto para o desmantelamento sistemático da nossa Constituição e da Declaração dos Direitos dos Cidadãos".

Segundo Cheen, Osama bin Laden, apontado como o idealizador dos atentados contra as Torres Gêmeas do WTC e o Pentágono, que mataram mais de 3.000 pessoas, trabalhava com a CIA (agência de inteligência americana) até o dia dos ataques.
apenas uma coisa a dizer: charlie sheen não é apenas um rostinho bonito. - conspirators of the world, unite and take over!

master in piece

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

o chato

se existe uma coisa que me move é a comida, além de cozinhar está claro que gosto de comer bem. morro por uma mesa bem posta, com sua bela toalha, bons copos e tudo mais que agregue valor ao maravilhoso prazer que é saborear um bom prato. nada mais natural então que eu seja um fã ardoroso de programas de culinária, e, se deixarem, sou capaz de ficar o dia inteiro diante da tv, pulando de canal em canal e assistindo de anthony bourdain a andrew zimmern na seqüência (como se tratasse de uma final de copa do mundo), e sentindo muitas saudades do hilário karlos arguiñano e do rick stein.

há um tempinho atrás, eis que estava eu assistindo ao canal nat geo, quando uma criatura meio estranha, metida num chapelão e segurando um facão me diz: - eu vou caçar, eu vou pescar, eu sei lá o que mais...e comer também! - rapaz, me assustar você já conseguiu. – pensei.

tratava-se de josimar melo, apresentador do programa o guia que acabara de estrear no referido canal. confesso que não me animei muito com a figura do apresentador, mas um novo programa de culinária é um novo programa de culinária, assim que no dia e hora marcados lá estava eu para ser guiado por um mundo de sabores, texturas e emoções diferentes.

doce ilusão, o que era uma impressão se concretizou. ignoro a opinião daqueles que gostam de programas de culinária, mas penso que, dentre outras coisas, deve ser educativo, divertido, se possível simples (para coisas mais complexas procure um estágio em regime semi-escravo no el bulli ou estude na hofmann de barcelona, eu recomendo) e principalmente estimular os prazeres da boa mesa, afinal de contas, cozinha é a maior diversão.

o guia peca especialmente por se levar muito a sério e por não suscitar a paixão pelo ato de comer (o que deveria ser básico), incapaz de estabelecer uma conexão com o espectador. isto porque josimar melo dá a impressão de ser um esnobe, adotando o perfil do brasileiro que durante a primeira viagem européia com a namorada tenta impressioná-la, fazendo pose e falando de comida e bebida como se fosse coisa para poucos, acessível apenas a um grupo seleto de conhecedores no qual ele, evidentemente, se inclui.

se a emissora tiver como alvo um público de novos ricos ou de gente metida a besta, está bem, mas eu achei o programa insuportável. tudo bem que os episódios aos que assisti eram logo sobre a espanha, região que casualmente conheço bem por lá ter vivido, agora, convenhamos, não dá, ver um apresentador entrando no museo del jamón para sair e provar a iguaria com cara de nojo e dizer que ainda não é esse o jamón dos seus sonhos, que não está bom mas que ele não vai desistir, afinal, em madri, deve haver algum lugar onde se possa comer um bom jamón, é o fim. o que mais há em madri é bom jamón meu caro, e você deveria saber onde procurá-lo já que é crítico gastronômico.
para quem não sabe, o museo del jamón é uma rede de lojas emblemáticas de madri onde se pode encontrar diversos tipos de presunto ibérico a bom preço, mas que está longe de ser o lugar mais indicado para alguém que é crítico gastronômico ir procurar o melhor jamón. da próxima vez, tente o goya no hotel ritz.

o programa ganharia muito mais se o apresentador fosse mais natural e procurasse transmitir a riqueza da cultura gastronômica dos locais onde está, interagindo com os cozinheiros em um outro nível, mais próximo, mais curioso...mais humilde. sem falar que um apresentador deve ter a capacidade de transmitir o prazer que sente ao comer para o telespectador, estimulando-o a descobrir o fascinante universo da gastronomia, coisa que aqui infelizmente não acontece.

a nat geo o cita como o crítico gastronômico mais importante do brasil, sei não, sei não, acho que ele levou o confete muito a sério. tudo no programa é pretensioso, do título aos maneirismos afetados do apresentador. quem perde é o espectador que ao invés de descobrir um novo prato ou uma curiosidade gastronômica tem que lidar com o seu enorme ego. josimar melo não é o guia, é o chato, melhor seria ser menos critico e meter mais a mão na massa.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

baby blue


dia 10 de outubro que vem o homem de azul vai fazer um ano de atividade no ar. phew, como esse ano passou depressa, parece que foi ontem que cheguei ao rio de mala e cuia depois de um longo período vivendo em terras européias e sem saber muito bem o que seria da minha vida. certeza quase nenhuma, apenas a alegria de estar de volta ao meu rio de janeiro e a esperança de conseguir colocar as ideias e a vida em ordem.

um blog? jamais me passou pela cabeça ter um, até porque nunca me considerei um escritor ou tive qualquer pretensão em abordar o que quer que fosse via internet. mesmo assim, sabe-se lá porque (ou talvez esteja na cara, deixo isso a vocês que têm paciência de me ler) o homem de azul apareceu, foi ficando e eu me divertindo cada vez mais na sua companhia.

para comemorar por antecipação, estamos de layout novo, fizemos um belo lifting (gracias narghee-la) para aguentar o rojão e os próximos meses que hão de vir com dignidade. espero que, como eu, você que anonimamente passa por aqui ou aqueles que comparecem com certa frequência tenham se divertido com as venturas e desventuras desse ser azul que, entre erros e acertos, agradece tudo de bom que esse primeiro ano de existência trouxe, e trouxe mesmo.

obrigado pela companhia, por merecer a sua leitura e até mais.

Ass. homem de azul

Quero ser grande

Na primeira vez achei que fosse o tamanho do meu nariz, traumatizado que estava pelos comentários desabonadores da adolescência e fiquei meio constangido, logo no primeiro encontro, tentando manter a pose e o ar blasé enquanto a moça disfarçadamente dirigia o olhar ao meu nariz.

A segunda vez foi um comentário direto vindo de um estranho na presença da primeira observadora em questão. – Ele parece muito com o Mr. Big.

Mr. Big, Mr. Big? Me veio logo na cabeça a cara do vocalista da banda de pop metal farofa homônima e me imaginei com uma peruca na cabeça cantando apaixonadamente: “Hold on little girl / Show me what he's done to you / Stand up little girl / A broken heart can't be that bad...

Abre-se o plano e lá estão, eu e minha banda, batendo palmas e sacudindo a cabeça: “I'm the one who wants to be with you / Deep inside I hope you feel it too / Waited on a line of greens and blues / Just to be the next to be with you”

Quando já começava a gostar da ideia e a vaidade quase quarentona parecia decolar (o vocalista apesar do cabelo é boa pinta) fui novamente atirado às trevas.

- É, não é? Que bom que você falou, eu confesso que sempre achei!

- É, é muito, olha só o perfil, ele é o Mr. Big!

A conversa teria transcorrido como se eu ali não estivesse por horas se eu não tivesse interrompido.

- Perae, quem diabos é Mr. Big?

- Ora, você não conhece o Mr. Big?

- Não, eu não conheço, alguém pode me dizer quem é esse cara? – pensando: - Será que é um ator pornô?...que constrangedor...

- O Mr. Big do Sex and the city!! O namorado da Carrie!

Vasculhei rapidamente o meu avariado HD e lembrei da série de TV de enorme sucesso que eu nunca tinha assistido por absoluta inércia ou, talvez, por ter a impressão de que o programa fosse coisa das feministas na sua cruzada em nos crucificar. Sim, eu tenho medo de mulheres que queimam soutien.

Ficaram os dois ali rindo para mim (talvez de mim) e eu não tive outro jeito a não ser aceitar o fato de que era parecido com o tal Mr. Big.

Depois disso, claro, teve o episódio com a minha sogra que, ao me conhecer, e antes de qualquer outra coisa, primeiro olhou bem para o meu nariz para depois concluir: - Parece, você parece com o Mr. Big.

Ai meu Deus, esse cara a me perseguir.

Tempo depois, eis que finalmente assisti (muito tardiamente evidentemente) ao seriado e quando o Mr. Big entrou na tela com ar canastrão falando: - hello kiddo! - Escapou-me um sorriso da cara e me identifiquei um pouco com a personagem.

Não que eu me ache realmente parecido com ele, mas devo dizer que, com boa vontade, dependendo do ângulo que se olhe pode se ver algo em comum. O ar canastrão certamente é pule de dez, agora, em matéria de mulher a minha dá de mil a zero na Carrie, bom, ela dá de mil a zero em qualquer uma, mas isso é outra estória.

O fato é que, de qualquer forma, independente da sua opinião, a alcunha Mr. Big não me faz jus, até porque, como se sabe... I am not big...I’m huge.

See you, kiddos (blinking).

sexta-feira, 4 de setembro de 2009


O Rio de Janeiro é a cidade mais feliz do mundo, segundo uma pesquisa da revista econômica "Forbes" feita com dez mil pessoas de 20 países. No ranking de 50 cidades, os cariocas deixaram para trás concorrentes de respeito como Barcelona, Paris e Roma.
A pesquisa destaca que o Rio é famoso pelas belas paisagens e pelo povo festivo.
No carnaval, o clima agradável e as belezas naturais contribuem para a percepção de felicidade dos cariocas. Em segundo lugar ficou Sydney (Austrália), seguida de Barcelona (Espanha), Amsterdã (Holanda) e Melbourne (Austrália). Buenos Aires, a outra cidade latino-americana da lista, aparece em décimo lugar.
Segundo o instituto de pesquisas americano GfK Custom, que conduziu as entrevistas, o carnaval foi determinante para o Rio se tornar vencedor.

Sydney ficou em segundo lugar porque é conhecida por seu tempo bom, locais agradáveis e simpáticos e pelo imaginário que a Austrália tem na percepção das pessoas.

" O mundo descobriu o que nós já sabemos: o Rio é o melhor lugar pra viver e para trabalhar "

Em nota, o prefeito Eduardo Paes se mostrou feliz com o resultado, mas não surpreso:

"É mais um reconhecimento da qualidade de vida da nossa cidade. O mundo descobriu o que nós já sabemos: o Rio é o melhor lugar pra viver e para trabalhar. Que outra cidade é capaz de reunir com tanta perfeição natureza, cultura e vida urbana? É um orgulho saber que a alegria dos cariocas ganha fama e o imaginário internacional. Eu posso garantir que não existe prefeito mais feliz do que o da cidade maravilhosa."
aliás e à propósito: hoje tenho almoço com o prefeito em questão, ainda não me decidi se levo uma bolsa de tomates ou se faço uso do elegante 43 envergado em homenagem ao Bush. o que a reportagem não diz é que a bela está cansada, ultrajada e caminhando a passos largos rumo à decadência definitiva.

a beleza e o privilégio de viver no Rio não podem servir de muleta, antes de incentivo para uma administração responsável. que o prefeito é uma pessoa alegre a gente já sabe, agora, uma cidade como essa merece melhor representação e muito mais respeito.

this charming tip

absolutamente deslumbrante o look inspirado em laranja mecânica, mcqueen consegue ser retrô e moderno ao mesmo tempo, esbanjando atitude.
acompanha: psicopatia, suspensórios, cílios postiços e um porrete.
como diria o meu amor: - morri, beijos.
aliás, aguardem que brevemente uma nova maison vai invadir esta cidade. os sinais de fumaça já estão no ar, a conferir.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

pega ele aí

Luiz Caldas, pai da axé music, lança dez discos de uma só vez, entre eles um de rock pesado

Luiz Caldas já deve ter sido amaldiçoado por muito metaleiro radical por conta de sua invenção mais conhecida e duradoura, a axé music. Mas o que diriam esses cabeludos xiitas diante da "Maldição" que está na página do cantor no MySpace ?

"Bolas de fogo, maldades da imaginação!", brada Caldas, com uma voz gutural capaz de fazer qualquer roqueiro emo borrar a maquiagem.

- É o meu heavy metalzinho - explica, com simplicidade.

"Maldição", com seus riffs pesados e solo virtuosístico de guitarra, é uma das 130 (!!) músicas lançadas por Caldas este ano, dentro de seu plano de criar um catálogo musical pessoal e sem limites. Ele dividiu as tais 130 faixas em dez discos, cada um com estilo próprio. Caldas lançou álbuns de música instrumental, samba, forró, frevo, o indefectível axé, um todo cantado em tupi ("minha homenagem aos povos indígenas") e outro "super popular". MPB foi o único estilo que ganhou dois discos. O de rock, mais puxado para o hard rock setentista, foi batizado "Castelo de gelo".

- Sou mais conhecido pela axé music, que já vai fazer 25 anos, mas não tenho a menor necessidade de ficar preso a uma coisa só. Fica até chato - explica o cantor.

- Vou fazer 50 anos, não tenho essa frescura de ir atrás de 15 minutos de fama - desdenha. - Mas eu adoro esse tipo de susto que meu nome causa. Toquei axé no (programa do) Silvio Santos com uma camisa do (grupo de thrash metal) Kreator, os metaleiros não entenderam nada - ri o artista.

O cantor, que é multiinstrumentista, explica a sua nova proposta. Que de nova não tem nada.

- Eu estou é voltando às minhas origens. Dos 7 aos 16 anos eu me formei em bandas de baile, tocando desde Led Zeppelin e The Who a Wando e Agepê. Para mim não importa se é rock, jazz ou axé. Eu gosto de música e ponto - resume.
Com a mesma naturalidade, ele percorre o circuito de axé no Carnaval, faz a rota do forró nas festas juninas, tem uma apresentação marcada para um festival de jazz na Praia do Forte, na Bahia, e pode fazer um concerto de violão clássico num teatro a qualquer momento.

- Tudo o que faço é verdadeiro. Ali foi tudo feito à vera, com baixo, guitarra, bateria e atitude - avisa o autor de "Mississipi", dos versos "Não tenho culpa nem cara de réu / Vá pro inferno que eu vou pro céu". Curto e grosso, como todo bom roqueiro.

View My Stats