segunda-feira, 13 de abril de 2009

Fumando cerejas


Fumar cerejas com você me faz sonhar,
Ouvindo jazz a noite inteira,
Contando estrelas num abraço apertado e
Saudando a silhueta na parede,
Do seu corpo a me enroscar

Você me morde, me deixa roxo,
O seu rosto se ilumina, no crepúsculo da sala de estar
Onde os gatos brincam, e o tempo já passou.
O seu sorriso me acompanha até o elevador,
E já fico com aquela vontade de querer voltar

Mas, enquanto o amanhã não chegar,
A sua imagem é só o que me restou,
Copacabana é linda e me convida a caminhar.
Andando tonto pela areia, até em casa,
Eu só penso em chegar logo pra dormir, descansar
E lembrar de você, e lembrar de você...

5 comentários:

ana k. disse...

ostentando hematomas, é moço?
beijos,

Homem de Azul disse...

só se for na alma.

Nicolau disse...

Mas o cara também é poeta. Excelente.

Coisa recente (a poesia, não o episódio)?

Abraços

Chirol disse...

Sou um tanto atrasado em matéria de blog, mas não pude deixar de emocionar ao ler "Discos, Torak, Guitarras e outras estórias".

Oh Manchester, so much to answer for...

:)

Homem de Azul disse...

Nicolau,

Eu sou um tanto preguiçoso para escrever, mas desde os 14 tento me tornar um rock star. Alterno momentos de maior criatividade com outros de pura inércia. Mas, um dia o mundo ainda há de me descobrir rrss.

Abraços.


Chirol,

We'll always be as thick as thieves...mate. ;)

 

View My Stats